Estudo Piloto entre Crianças Não Vacinadas Vs Vacinadas, Precocemente, Denota o Aumento Exponencial de Doenças e Transtornos Crónicos



Este estudo inovador foi imediatamente retraído por razões políticas. Leia a nossa atualização sobre isso aqui.
O progresso no sentido da vacinação obrigatória já não é uma teoria da conspiração. O projeto de lei 277 do Senado da Califórnia as despertou as famílias para uma realidade onde o consentimento informado e a liberdade em matéria de saúde não se aplica.


Por: Jefferey Jaxen
Tradução: Ricardo Camillo

Atualmente, o povo americano enfrenta 173 projetos de lei relacionados com as vacinas em 40 estados diferentes. A linguagem de muitas das novas leis visa aumentar o rastreamento, identificar as famílias que não vacinam, forçar os calendários de vacinação e perseguir ainda mais as famílias que optam por não dar as vacinas. Os produtos privados de empresas farmacêuticas com fins lucrativos e legalmente protegidas. Os meios de comunicação corporativos e as indústrias médicas têm exercido a sua plena influência por detrás da mensagem de transparência e segurança das grandes farmacêuticas. Ao mesmo tempo, ambas as indústrias estão simultaneamente a censurar as discussões sobre a fraude, os perigos, os danos crescentes e o comportamento criminoso inerente à indústria das vacinas e daqueles que pressionam no sentido da vacinação obrigatória. Um ponto central da disputa, e de violação de direitos humanos, é o facto de que historicamente, nenhum estudo comparativo sério tinha sido feito entre as populações vacinadas versus não vacinadas. No entanto, tal estudo já existe agora.

O Estudo
Tendo trabalhado no estudo ao longo de 15 anos, desde a sua concepção original à conclusão, o Dr. Anthony Mawson e os seus co-autores viram agora o seu trabalho publicado no Journal Translational Science. O estudo, intitulado, "estudo piloto comparativo na saúde entre crianças vacinadas e crianças não vacinadas dos 6 aos 12 anos de idade nos EUA". [1] Uma vez que os efeitos sobre a saúde a longo prazo, do calendário de vacinação atual, não foram estudados, o Dr. Mawson e os seus co-autores foram então comparar as crianças vacinadas e não vacinadas através de uma ampla gama de resultados de saúde. O estudo foi concebido como um estudo transversal de mães e das suas crianças biológicas vacinadas e não vacinadas com idades entre os 6 e 12 anos de idade, em regime de ensino doméstico. Incluiu mães de 666 crianças que vão desde as totalmente vacinadas, parcialmente vacinadas e não vacinadas. As mães foram convidadas a indicar, numa lista de mais de 40 doenças agudas e crônicas, todas aquelas que nos seus filhos tinham sido diagnosticadas por um médico, entre outras questões.

Os Resultados
As crianças vacinadas tinham significativamente mais probabilidade, do ​​que as não vacinadas, de lhes ser diagnosticada: rinite alérgica, outras alergias, eczema / dermatite atópica, uma deficiência de aprendizagem, distúrbios do espectro do autismo, qualquer distúrbio do desenvolvimento neurológico e doença crônica.

O que se segue é a enumeração dos resultados específicos para as crianças vacinadas:
Os Transtornos do Espectro do Autismo (ASD) eram 4,7 vezes maior em crianças vacinadas;
O risco de Transtorno de Défice de Atenção e Hiperactividade era 4,7 vezes maior;
O risco de incapacidades de aprendizagem era 3,7 vezes maior;
Crianças vacinadas no estudo tinham 3,7 vezes mais probabilidades de serem diagnosticadas com algum tipo de distúrbio do sistema neurológico;
O parto prematuro e a vacinação foram associados a probabilidades aumentadas de 6,6 vezes de distúrbios do sistema neurológico;
As crianças vacinadas também estavam significativamente mais propensas a serem diagnosticadas com um distúrbio imunológico. O risco de rinite alérgica (vulgarmente conhecida como a febre do feno) era 30 vezes maior em crianças vacinadas, enquanto o risco de outras alergias foi aumentado 3,9 vezes, e o risco de eczema aumentava 2,4 vezes.

A Conclusão
Dado o clima global nos dias que correm, conforme descrito na introdução deste artigo, o estudo destacou três conclusões extremamente notáveis, ​​que são:

"...a força e a consistência das descobertas, a aparente relação "dose-resposta "entre o estado de vacinação e várias formas de doenças crônicas, e a associação significativa entre a vacinação e os distúrbios do sistema neurológico, suportam a possibilidade de que algum aspecto do actual programa de vacinação possa ter contribuindo para os riscos de mortalidade infantil".

"A vacinação também permaneceu significativamente associada aos distúrbios do desenvolvimento neurológico após estarem controlados outros factores..."

"...o parto prematuro associado à vacinação estava associado a um aparente aumento sinergético das probabilidades de distúrbios do desenvolvimento neurológico, mais elevados do que na vacinação isolada".


Embora todas as três conclusões possam, e ressoem profundamente por entre as massas de profissionais de saúde e pais, a terceira conclusão do estudo é particularmente oportuna e relevante para além da sua asserção declarada. Ao longo do último ano, numerosos denunciantes médicos e trabalhos de investigação científica têm alertado e evidenciado que as lesões estão a ocorrer, devido às vacinações de rotina, em prematuros nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares. As enfermeiras denunciantes Michelle Rowton James e Joanne [apelido não disponível] destacaram publicamente como a lesões desumanas e comuns das vacinas administradas nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares, tem raízes na cultura médica do estabelecimento. Entretanto, três grandes estudos [2],[3],[4] tenham corroborado os relatos das enfermeiras delatoras. Em Abril de 2017, o Instituto para o Conhecimento Puro e Aplicado (IPAK) emitiu uma declaração a pedir que todos os americanos se juntassem a eles no seu apelo à proibição da vacinação de crianças nas unidades de cuidados intensivos neonatais hospitalares. Falando sobre o apelo à ação, o Dr. James Lyons-Weiler, PhD, CEO e Diretor do IPAK, declarou:

"Pedimos à comunidade biomédica que produzisse estudos que mostrassem os efeitos negativos das vacinas sobre os recém-nascidos, e eles não os produziram".

Atualmente, está a ocorrer um choque entre o dogma do tipo religioso, da vacinação, e os segmentos cada vez mais conscientes das comunidades públicas, de pesquisa e médica. Na corda bamba está a oportunidade de uma discussão verdadeiramente aberta sobre as vacinas e uma rara oportunidade de reformar uma comunidade médica dominada pelas farmacêuticas, e totalmente sem rumo. Tendo em conta a tendência atual, as consequências de não aproveitarmos a oportunidade para termos um diálogo aberto, parece levar-nos por um caminho de atos médicos obrigatórios e censura sobre o aumento exponencial dos danos humanos e da mortalidade. Simplificando, a batalha agora ao rubro entre a abertura e a transparência versus a proteção, por meio da omissão e da censura aberta, do modelo de negócios das grandes farmacêuticas e da necessidade de expansão a todo custo.
Referências:

[1] Anthony R Mawson, Brian D Ray, Azad R Bhuiyan, Binu Jacob (2017) Pilot comparative study on the health of vaccinated and unvaccinated 6- to 12- year old U.S children, Journal of Translational Science, DOI: 10.15761/JTS.1000186

[2] Sen S, Cloete Y, Hassan K, Buss P (2001) Adverse events following vaccination in premature infants, Acta Paediatrica, Aug;90(8):916-20.

[3] J Bonhoeffer, C‐A Siegrist, and P T Heath (2006), Immunisation of premature infants, Archives of Disease in Childhood, Nov; 91(11): 929–935. DOI: 10.1136/adc.2005.086306

[4] Stephen D. DeMeo, Sudha R. Raman, Christoph P. Hornik, Catherine C. Wilson, Reese Clark, and P. Brian Smith, (2015), Adverse Events After Routine Immunization of Extremely Low Birth Weight Infants, JAMA Pediatrics, 2015 Aug 1; 169(8): 740–745. DOI: 10.1001/jamapediatrics.2015.0418



Jefferey Jaxen é um investigador, jornalista de investigação independente, escritor e voz para a liberdade na saúde, na linha de frente da mudança da sociedade para uma Consciência superior. Visite o seu site aqui para saber mais.

Fonte: http://www.greenmedinfo.com/blog/vaccinated-vs-unvaccinated-pilot-study-early-vaccination-sees-exponential-increas

Postagens mais visitadas